Tomate é uma das primeiras plantas que vem à mente de quem quer começar a cultivar uma horta em casa. Nos últimos tempos isso se tornou até necessário, tamanho o aumento (absurdo) no preço deste fruto. Plantar tomates é uma ótima ideia, principalmente em se tratando de saúde.

Existem diversas variedades de tomates. Algumas podem passar de dois metros de altura. Mas, de um modo geral a planta alcança 1 metro, 1 metro e meio.

Infelizmente os tomates que compramos na maioria das feiras e mercados contêm uma grande quantidade de agrotóxicos; portanto, um cultivo pessoal, se possível de forma orgânica – sem fertilizantes e repelentes químicos – vai ajudar tanto o bolso quanto a saúde de sua família.

Veja também: como plantar e cultivar Pepinos

Pensando nisso, baseado em minhas experiências pessoais (boas e ruins) resolvi escrever este super guia com todos os detalhes para quem quiser se aventurar a plantar e colher tomates em casa.

Como semear tomates

A forma mais fácil de plantar tomates é por meio de sementes. Você pode encontrá-las em praticamente todos os supermercados, na seção de hortifrúti.

Ou então ‘produzir’ suas próprias, utilizando um tomate que tenha na geladeira.

Basta cortar um tomate ao meio e separar algumas sementinhas. Não precisa nem deixar secar, é só colocar na terra e cobrir com um pouquinho de terra peneirada (para facilitar a brotação).

A germinação através deste processo pode ser até mais rápida que com as sementes compradas.

Se for plantar em vaso, que seja grande – 30 ou 40 cm de profundidade é o ideal para ter uma boa produção. Aliás, recomendo ler em detalhes nosso post especial sobre a maneira correta de plantar em vasos, para garantir o sucesso das suas plantas.

Mas vamos ao passo a passo para plantar tomates!

Qual a melhor época do ano para plantar tomates?

Antes de qualquer coisa, o solo não pode estar frio, senão o tomate dificilmente vai crescer (o mesmo vale para outras culturas como o pepino). Isso significa que primavera e verão são as melhores estações para o plantio. Agora, se você mora numa região onde o outono e o inverno não são muito diferentes do resto do ano, vá em frente. Para ter certeza, basta olhar no verso do envelope de sementes. Normalmente existe um mapa com as regiões do Brasil divididas por cores e meses, bem simples de seguir.

Melhor época para plantar tomates

Para produzir várias mudas, escolha uma sementeira ou copinho plástico, embalagem de Danoninho etc (desde que se faça alguns furos para escoar o excesso de água). Neste exemplo usei um copo de plástico e com uma agulha fiz vários furos no fundo. Se você deixar água acumular no fundo dos vasos, as raízes podem apodrecer e a planta, consequentemente, morrer.

Semeando tomates

Preencha com terra de boa qualidade. O que seria essa terra? Simples: terra vegetal, areia (ou vermiculita), húmus de minhoca e esterco de aves. Misture quantidades iguais desses itens e terá um excelente substrato para suas plantas. Se preferir, pode adquirir um substrato específico para germinar sementes ou mudas em lojas de jardinagem.

Coloque as sementes. Pessoalmente uso duas ou três sementes por recipiente, já que nem todas brotam.

Cubra com um pouquinho de terra de modo que as sementes fiquem com 1cm de profundidade mais ou menos. Como regra geral a profundidade das sementes deve ser de três vezes o seu próprio tamanho; então, quanto maior a semente, mais fundo deve ser plantada.

Sementes de tomate

Regue diariamente ou em dias alternados, dependendo da temperatura. O importante é manter o solo úmido, sem encharcar. Recomendo usar um borrifador para regar, até que a muda cresça e tenha raízes para se sustentar. Usar regador pode afundar muito as sementes.

Feito isso deixe a sementeira (ou copinho) num local iluminado, mas que não receba sol direto.

Após uma semana mais ou menos, se as sementes não estiverem estragadas (às vezes pode acontecer) você começará a ver os primeiros brotos.

Diariamente mantenha o recipiente umedecido, usando o borrifador. Pode ser pela manhã ou final da tarde.

Quando atingirem uns 3cm escolha a que se desenvolveu melhor e corte as outras com uma tesoura. Arrancar pode danificar o broto que você pretende deixar.

Quando a planta atingir uns 5, 6 cm já pode ser levada para o sol (mas sem chuva). A partir daí a rega pode ser um pouco maior, com regador, ainda sem encharcar.

Quando transplantar as mudas de tomate?

O transplante para o local definitivo, seja vaso ou canteiro, deve ser feito quando a planta tiver 4 ou 6 folhas ‘verdadeiras’. Se diz verdadeiras, porque as duas folhinhas iniciais podem não vingar e também porque são iguais a centenas de outras plantas.

Muda de tomate italiano

Para transplantar o tomate da sementeira para o local definitivo, seja cuidadoso para não machucar a raiz. Use uma colher ou faca para retirar a muda inteira, mantendo a terra da sementeira ao invés de sacudir para deixar apenas a raiz. Se não quiser mais utilizar a embalagem, corte-a para facilitar a retirada, como eu fiz com meu copo plástico (que depois foi lavado e separado para reciclagem):

Transplantando tomate

A raiz do tomate é muito sensível e não é raro que as mudas fiquem murchas após o transplante. O normal porém é que em uma semana, no máximo, elas se recuperem. Caso a planta seque significa que a raiz foi totalmente comprometida e infelizmente não conseguiu se recuperar. Daí a importância de replantar com muito cuidado.

Uma vez plantado, regue com abundância, agora sim, muita água. Isso ajuda as raízes a se aclimatarem no novo ambiente.

Ah! Se quiser plantar várias mudas, uma distância boa entre elas seria de 50 ou 60cm mais ou menos. Os galhos crescem bastante e pode ter certeza que este espaço será totalmente ocupado.

Onde plantar tomates

Já comentei mais acima que o local ideal é onde podemos controlar o máximo possível a quantidade de água recebida, ou seja, que não receba muita chuva. Mas não é sempre que podemos fazer isso, então se você tiver de plantar o tomate em local desprotegido, numa região com muita chuva, certifique-se de que o solo tenha uma ótima drenagem.

Para se certificar disso, recomendo abrir uma cova grande, com mais ou menos 40 ou 50cm de diâmetro e profundidade e preencher com: terra vegetal, esterco de aves, húmus de minhoca. Se preferir usar a terra do seu próprio jardim, e ela for mais pesada/argilosa, misture uma ou duas partes de areia, além dos demais “ingredientes”.

Preparar o solo para os tomateiros

As dicas abaixo são o que costumo fazer bem antes de plantar meus tomates.

Melhor adubação para tomates

A preparação do solo antes do plantio é importantíssima. Ela vai garantir plantas mais saudáveis e resistentes. Partindo do princípio que você vai plantar o tomate num quintal, é preciso retirar capim, grama ou qualquer outra planta. Retire também um pouco da terra, se for argilosa. Com ajuda de uma enxada, revolva bem o solo para que fique solto. Agora vamos preparar um bom substrato para o melhor desenvolvimento de nossos tomates.

A primeira coisa é ter Terra Vegetal, já citada acima. Além dela, vamos acrescentar:

Calcário

Em resumo o calcário serve para corrigir a acidez do solo, além de fornecer cálcio e magnésio colaborando com a nutrição das plantas.

É importantíssimo também para ajudar na absorção dos demais nutrientes. Ele deve ser incorporado ao solo uns dois meses antes do plantio para que tenha tempo de começar a agir. E só reage com água. Ou seja, é preciso ser incorporado (ou espalhado) ao solo e receber uma generosa quantidade de água. A medida varia muito, mas eu costumo usar uma generosa pá de calcário misturado na terra. Depois de algumas semanas o solo já estará bem melhor.

O correto é espalhar calcário, e revolver bem o solo. Cubra com folhas secas. Depois de dois meses, mais ou menos, revolva bem esse solo e misture os demais itens, já que a acidez do seu solo, após a ação do calcário, já estará corrigido.

Caso já tenha tomateiros plantadas em solo sem calcário, o jeito é espalhar na superfície mesmo, e regar. Se possível, e se não for machucar as raízes, cave um pouquinho ao redor e incorpore. Não se preocupe com relação ao contato do calcário com raízes e caules, pois ele não ‘queima’ as plantas, como pode acontecer no excesso de esterco, por exemplo.

Junto da terra revolvida, acrescente:

Esterco de aves (ou de gado)

Adquirido em agropecuárias ou lojas de jardinagem, o esterco é importantíssimo não apenas para tomates. Ele enriquece demais o solo, fornecendo nutrientes vitais para o bom desenvolvimento das plantas.

Se a escolha for o esterco de aves, use pouco. Ele é bem mais forte que o de gado. Uma medida segura seria uma parte de esterco de aves para cada cinco ou seis de terra. Se for de gado pode dobrar a quantidade. Misture bem ao solo e sempre cubra com terra para que o cheiro não atraia animais de estimação ou moscas.

Lembrando que o esterco deve estar completamente curtido, como os que estão disponíveis nas lojas do ramo.

Húmus de minhoca

Húmus é como uma vitamina sempre bem-vinda. Todas as plantas o adoram! E o melhor é que o excesso não fará mal nenhum, caso exagere na quantidade.

Só um pouco já fornece nutrientes para as plantas. Se quiser uma recomendação exata eu diria que cinco colheres de sopa para plantas pequenas já é o suficiente. Pode ser colocado na superfície ou misturado no momento do plantio. Basta afofar um pouquinho a terra, adicionar o húmus e misturar.

Tomates: problemas mais comuns

Apesar do tomateiro não ser a planta preferida de pulgões, vaquinhas, lagartas etc, é muito sensível. Veja alguns dos problemas que podem surgir e como tratá-los:

Manchas brancas ou furos

Cuidado com tomates que tenham pontos brancos ou furos. Pode indicar presença de moscas brancas, lagartas ou percevejos. Melhor colher e descartar para que não contaminem outros frutos. Basta girar o tomate até ele se soltar (não precisa puxar).

As manchas no tomate podem ser causadas também por excesso de calor e água (muita chuva). De qualquer modo, melhor retirar os tomates afetados para não correr o risco de uma contaminação generalizada.

Folhas murchas e caules ressecados

Se os pés de tomate estiverem murchos, as folhas continuarem verdes e a parte de baixo do caule começar a secar, pode ter sido atingido por alguns fungos muito comuns em regiões quentes onde tenha havido excesso de rega (ou de chuva). A combinação de clima quente e solo encharcado é um prato cheio para muitos fungos que podem acabar com seu tomateiro.

Para prevenir, cuidado com a quantidade de água. Ao regar, não molhe as folhas e interrompa antes de a água começar a formar uma poça na superfície. Outra dica importante é limpar sempre as ferramentas de poda para não transmitir fungos de uma planta para outra; os tomates em especial são facilmente contamináveis. Pode limpar com vinagre ou passando a lâmina da tesoura no fogo de um isqueiro por alguns segundos.

Evite que o solo fique muito duro. Para isso, use uma cobertura; isso ajudar a manter a umidade e a terra mais fofa. Pode usar chips (lascas) de madeira, palha, bagaço de cana seco, argila expandida, aparas de grama já secas, folhas secas etc. Cuidado quando pegar folhas secas para que não tenham formigas. Caso aviste formiga, espalhe um pouco de talco; além de conter boro, que é um adubo para as plantas, ele afasta formigas.

Solo coberto com palha e talco ao redor da planta para afastar formigas
Solo coberto com palha e talco ao redor da planta para afastar formigas

Folhas amareladas

Semanas após o plantio das sementes, pouco depois de surgirem os primeiros pares de folhas, elas podem começar a amarelar. Isso aconteceu uma vez comigo. A primeira coisa que pensei era que eu estava exagerando na rega. O controle melhor da rega não adiantou nada e fui atrás de informações; descobri então o melhor remédio para os tomateiros: o leite!

É incrível a eficiência do leite nos tomates. Em menos de uma semana as folhas voltaram ao tom de verde. Mas é preciso cuidado. Em excesso o efeito pode ser desastroso. Mais abaixo explicarei as formas corretas de usá-lo.

Manchas brancas nas folhas

Em geral as manchas brancas (ou pontinhos brancos) são causados por fungos e bactérias. Se não forem combatidos logo, podem acabar com sua plantação.

Você tem duas opções: se dirigir a uma agropecuária ou floricultura para adquirir algum “remédio” químico, ou adotar um cultivo orgânico e usar leite. O melhor (e mais fácil) remédio. Pode usar Leite de Magnésia se tiver! Confira a seguir como fazer isso:

A forma correta de usar leite nos tomateiros

Opção 1: Regar

Este é o método mais recomendado, por ser mais seguro. Coloque um pouquinho de leite ou Leite de Magnésia num copo e complete com água. A proporção é de 1 parte de leite para 9 de água, ou seja, 100 ml de leite e 900 ml de água. Regue seus tomateiros. Se os amarelamentos e fungos já estiverem em estado avançado, ou seja, “tomando conta” da planta, repita essa rega de 3 em 3 dias até o desaparecimento dos sintomas. Não exagere na quantidade. Regue normalmente com água nos outros dias, também em pequenas quantidades, caso estiver muito calor.

Opção 2: Borrifar

Tomates não gostam de água nas folhas, por isso evito ao máximo borrifar essa mistura de água e leite (ou Leite de Magnésia). A não ser que a situação esteja complicada, com as folhas bem infectadas.

A forma correta de borrifar leite nos tomateiros é usar a mesma proporção de uma parte de leite para nove de água (a mesma que a mistura usada para regar, descrita anteriormente).

Preparada a mistura, coloque num borrifador e pulverize as folhas delicadamente. ATENÇÃO: NÃO PRECISA ENCHARCAR. Pulverize a uma distância de 20, 30 cm e caso alguma folha fique muito molhada, tire o excesso de líquido dela. Repita essa operação de acordo com a gravidade do seu caso.

Ainda sobre a pulverização, recomendo que ela seja feita logo no começo da manhã (das 7h às 9h), assim a planta terá o dia inteiro para absorver e secar. Se fizer no final da tarde pode ser que o efeito seja até pior. Lembre-se: tomates não gostam de folhas molhadas.

Dependendo da situação, algumas folhas podem secar e cair em alguns dias, mas outras devem se recuperar e novas folhas nascerão. Cada caso é um caso, mas no geral sempre consegui reverter problemas nos tomateiros dessa forma.

Tomates apodrecendo

No meu primeiro tomateiro que vingou e deu frutos, a alegria inicial deu lugar a uma grande frustração: os tomates começaram a apodrecer!

Tomates apodrecendo

Não é nada agradável ver aquela planta que você semeou, cuidou e protegeu começar a produzir frutas podres!

Tirei imediatamente o tomate que estava apodrecendo (com medo de que isso se alastrasse para os demais que estavam crescendo). Dias depois veio o desânimo ao ver outro tomate, já grandinho, apresentar o mesmo problema.

A forma correta de colher o tomate é girá-lo até que ele se solte, para não danificar o galho; ou então use uma tesoura afiada e corte preservando o cabinho, o que fará com que seu tomate dure mais tempo na geladeira. Aliás, vi outro dia num programa de um médico norte-americano, “Dr. Oz”, a dica de que para conservar por mais tempo é bom guardar os tomates com o umbigo para baixo. Parece que funciona…

Foi aí que descobri que infelizmente isso é muito comum, e se chama “podridão apical”. Geralmente acontece na primeira produção da planta, que ainda não está totalmente desenvolvida e forte para lutar contra o problema, que geralmente é a falta de cálcio (resolvida com calcário, que na época eu não tinha utilizado com antecedência).

Raízes danificadas (por transplantes ou ao extrair ervas daninhas próximas do caule, por exemplo) dificultam que a planta absorva cálcio suficiente do solo.

Podas excessivas também podem ser responsáveis por esse problema, mas geralmente a questão é a deficiência de cálcio mesmo.

Regas excessivas ou escassas também podem contribuir para o enfraquecimento do tomateiro.

Sobre a falta de cálcio é bom salientar que grande parte do solo de São Paulo e estados da região Sul são muito ácidos. Para corrigir isso, também se usa o calcário.

O uso de Cobre nos Tomates

Um outro aliado importante no cultivo de tomate é o cobre. Se você regar seu tomateiro com leite/água uma vez por semana e borrifar um fertilizante/defensivo à base de cobre nas folhas a cada 15 dias, as chance de ter problemas diminuem muito.

Recomendo os produtos da Dimy e Forth. São marcas confiáveis. E funciona não apenas em tomates, mas em pepinos, uvas, maçãs, pêssegos… É excelente.

Como e onde plantar tomates

É possível cultivar tomates em vasos? Sim. Mas não é o ideal. As raízes são fininhas, mas precisam de bastante espaço.

No meu caso, testei em dois vasos: um pequeno com apenas 10 cm de altura e outro maior, com cerca de 20 cm.

Quase dois meses depois percebi que as plantas estagnaram; passavam dias sem crescimento aparente e as raízes saíram (e muito) pelos furos dos recipientes. ATENÇÃO: Minha intenção foi testar o plantio em vasos, e por isso não coloquei pedras/argila expandida e manta bidim, apenas terra, húmus e esterco de aves.

O que fiz então foi cortar com um estilete o fundo dos vasos e os coloquei sobre um canteiro onde eu previamente já tinha retirado grama e afofado a terra para facilitar o crescimento dessas raízes.

Exemplos de tomates plantados em vasos
Exemplos de tomates plantados em vasos; o menor quase morreu pelo tamanho insuficiente do recipiente escolhido. Quebrei o fundo do vaso e deixei as raízes crescerem direto para a terra; só assim ele se recuperou.

Dito e feito. Semanas depois de fazer isso os tomates voltaram a crescer. Portanto a dica que posso dar é que sim, é possível plantar tomates em vasos, desde que sejam grandes o suficiente para permitirem o crescimento adequado da planta. Ou cultive tomate cereja, que é bem menor.

Outras dicas para o cultivo de tomates:

Já falei sobre essas dicas mais acima, mas não custa relembrar:

Prenda os tomateiros. Finque uma estaca qualquer ao lado da muda de tomate. O melhor momento para fazer isso é quando plantamos a muda, para não ter risco de machucar as raízes. Feito isso use fitilho (ou barbante, nylon…) e prenda a planta para que ela fique o mais firme possível e resista a rajadas de vento mais fortes. Eu já perdi um lindo tomateiro por descuidar disso.

Cubra a terra. Pode ser com lascas de madeira, palha, seixos. Isso protege contra o endurecimento do solo pela ação do sol direto e também ajuda a reter a umidade, diminuindo assim a necessidade de se regar demais.

Evite plantar nos meses mais frios. O solo frio contribui para o aparecimento da podridão apical. Aqui em Santa Catarina a terra costuma “esquentar” só do meio de outubro em diante, quando as temperaturas mínimas noturnas aumentam gradativamente. Se a mínima ainda está na casa de 10 graus é melhor esperar.

Cuidado com a rega. Use um palito ou o dedo para ver se pelo menos os primeiros 2 cm do solo estão secos. Se o palito sair muito sujo não precisa regar ainda.

Como podar tomateiros

Sim, você pode podar seus tomateiros, mas tenha muita cautela. Além de não gostar de água nas folhas, tomateiros não são muito fãs de podas radicais.

Pessoalmente já testei podar galhos inúteis que cresciam para baixo e que não tinham flores, por exemplo, mas o resultado não agradou: vários tomates apresentaram podridão e a produção diminuiu bastante.

A única poda realmente necessária é a de limpeza, retirando pequenos galhos que se formam nas axilas da planta, bem na diagonal do cause principal (foto abaixo). Eles devem ser retirados com as mãos mesmo, com cuidado para não machucar o caule principal.

Poda do tomate
Esses galhos do tomate é que devem ser podados

Galhos que brotam muito perto do solo (a pouco mais de um palmo de altura, na parte inferior da planta) também tiram a força do caule e podem ser retirados. Tente se limitar a essa poda de limpeza, que é a mais segura.

Repelentes para tomateiros

Não use fumo em tomates! O fumo é o repelente natural mais comum, mas detestado pelo tomateiro.

Os melhores repelentes que já usei no cultivo de tomates foram o leite e o óleo de neem.

O leite pode ser usado nas regas e pulverizado em pequenas quantidades nas folhas, como orientei antes. Ele fortalece e trata a planta contra diversos fungos.

Já o óleo de neem (se pronuncia ‘nim’) deve ser pulverizado preferencialmente no final da tarde, quando o sol já estiver bem fraco, para não correr o risco de queimar das folhas. Adicione um pouquinho de detergente neutro ou sabão de côco dissolvido em água, para ajudar a fixar o produto nas folhas.

De forma preventiva eu costumo aplicar uma vez a cada duas semanas, mas se você mora em regiões muito quentes, com histórico de ataque de pragas, pode aumentar para uma ou duas vezes na semana.

Ah! Tem também o alho. Vale plantar um ou dois dentes de alho perto do tomateiro. É só enterrar os dentes. Ele também ajuda a repelir naturalmente algumas pragas que atacam os tomates.

As próprias folhas do tomateiro funcionam como repelente para grande parte dos inimigos do jardim, mas sempre aparece algum problema, não tem jeito.

Polinização do tomateiro

As plantas precisam ser polinizadas para que possam dar frutos. É como se fosse o ato sexual das plantas. Geralmente isso é feito por abelhas, pássaros…

No caso dos tomates, o próprio vento já ajuda no processo. Ou então, nós mesmos podemos dar uma mãozinha, literalmente.

Assim que surgirem as florzinhas amarelas já podemos ‘polinizar’. Para isso, basta sacudir levemente os galhos e/ou dar leves petelecos nas flores. Obviamente devem ser bem leves mesmo, senão elas vão cair!

Polinização manual dos tomates
Polinização manual dos tomates

Em breve os tomatinhos começarão a surgir, pode esperar.

Em quanto tempo conseguirei colher tomates?

O que muitos querem saber é quando, de fato, poderemos saborear nossos tomates plantados em casa? Em minhas experiências de cultivo, no interior de Santa Catarina, numa cidade de clima temperado, o tempo desde a plantação da semente até a colheita do tomate maduro tem sido de 3 meses em média. Em regiões mais quentes este tempo pode ser menor. Depende de cada local e forma de cultivo.

Tomate crescendo e já maduro

O melhor é deixar que os tomates amadureçam no pé. Se colher antes, o sabor poderá ser comprometido. Mas ‘o ponto’ depende do gosto de cada um, claro.

É isso. E você, já plantou tomates?

2 Comentários

  1. Foram de grande valor seus comentários. Demonstra conhecimento no assunto, além de escrever muito bem. Parabéns, Rodrigo, e muito obrigado pela matéria!!!

Deixe um comentário